Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Maria Ótima

Na cozinha, como na arte não há certo ou errado, há opções práticas, saudáveis e combinações inusitadas, coloridas pois nem tudo o que sabe bem faz mal!

Maria Ótima

Na cozinha, como na arte não há certo ou errado, há opções práticas, saudáveis e combinações inusitadas, coloridas pois nem tudo o que sabe bem faz mal!

Cozinha saudável e saborosa | Pequenos segredos da Nutricionista Filipa Vicente

 

 

pot-820012_1920.jpg

 

Na Maria Ótima encontra milhares de receitas saudáveis que podem adaptar-se a uma alimentação saudável e equilibrada. Parece fácil e uma questão de talento mas na verdade há ciência por detrás destes cuidados.

Embora não muito conhecida entre todos, porque cozinhar parece arte, a culinária tem o seu fundamento técnico.

Quando cozinhamos queremos:

  • Tirar o máximo partido organolético do alimento
  • Facilitar a sua digestão
  • Potenciar o seu valor nutricional

Por isso, a escolha do método de confecção é determinante assim como os cuidados a ter na técnica:

Cozedura

As duas formas de cozer mais interessantes são: em água fervente e a vapor.

  • A cozedura em água fervente pode levar à perda de vitaminas e minerais solúveis na água.
  • Na cozedura a vapor, eliminamos esse problema, mas podemos também manter no alimento pesticidas e outros tóxicos.

Numa situação ideal devemos cozer em água fervente colocando o alimento o menos fraccionado possível, apenas quando a água estiver de facto a ferver. Devemos também ter o cuidado de não colocar muita quantidade de alimento de cada vez para diminuir o tempo de cozedura.

Se prefere cozer a vapor, assegure-se que lava bem os alimentos e prefira sempre verduras livres de pesticidas e outros químicos.

Estufado

Trata-se de uma forma de cozedura mas em que os alimentos cozinham nos próprios sucos.

O estufado saudável é aquele em que colocamos tudo em cru, com pouca gordura, e cozinhamos a baixa temperatura.

Não tem de refogar a cebola no início mas não há mal em fazer um pequeno esturgido desde que a quantidade de gordura, preferindo-se o azeite, seja adequada e não se “queime” a cebola.

No entanto, com uma camada generosa de tomate, cebola e um pouco de azeite, se a temperatura for baixa vai ser bastante fácil potenciar os sabores dos alimentos.

Assados no forno

Parece um método muito fácil mas levanta sempre muitas questões: que gordura utilizar, como temperar o alimento, se vai ficar seco...

O ideal passa por temperar com antecedência podendo-se utilizar sumo de limão, pimentão, alho, salsa, azeite e até um pouco de vinho.

Um bom tempero torna o alimento mais saboroso e minimiza a necessidade de ter de adicionar gordura a meio.

Para cortes mais secos, pode também utilizar uma estratégia de cozinhar em papelote uma vez que mais facilmente conserva o aroma , sabor e suco do alimento cozinhando individualmente.

Grelhado

Normalmente é o método apontado como o mais saudável mas não é de todo o mais inocente, na verdade é o método (a par da fritura) em que os alimentos estão mais expostos a compostos tóxicos.

Se grelha na chapa deve ter o cuidado de aquecer bem mas depois vigiar para não deixar partes torradas, formando aminas heterocíclicas.

No barbecue, os fumos do carvão transportam hidrocarbonetos aromáticos policíclicos que são, como as anteriores, cancerígenas.

O grelhado é um método perfeito para uma confecção rápida e fácil, mas numa base diária um estufado ou um bom assado é menos agressivo. E felizmente mais saboroso.

1Filipa.jpeg

 

https://www.facebook.com/afilipanutricionista?fref=ts
https://www.filipavicente.net